Pesquisa
Vargas Advogados
Início ../

Exercício de mandato eletivo não pode ser suspenso apenas com base em suspeitas

12 de JULHO de 2012.

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Ari Pargendler, deferiu liminar em habeas corpus para que o prefeito do município de Sapé (PB), João Clemente Neto, volte ao exercício do cargo. Para o ministro, o convencimento judicial para afastamento do exercício da função pública exige mais que conjeturas, devendo ser embasado em fatos. 

“O mandado eletivo é um valor a ser respeitado, porque essencial ao Estado democrático de direito. O afastamento do respectivo exercício só deve resultar da má conduta, comprovada, do agente político”, afirmou. 

O presidente do STJ julgou que o afastamento de Neto do cargo de prefeito foi motivado por dois fatores: o risco à instrução processual e a necessidade de evitar a reiteração do delito. 

“Acontece que, no primeiro caso, o risco está fundado em ‘possíveis ameaças’, e, no segundo, sem embargo da identificação de uma organização criminosa voltada ‘para o desvio de verbas públicas’, o ato judicial não foi além de insinuar a ‘possível participação’ dos prefeitos”, asseverou o ministro Pargendler. 

O mérito do habeas corpus será julgado pela Quinta Turma do STJ. A relatora do processo é a ministra Laurita Vaz. 

Autor:   Marcos Adriano Vargas

Fonte:   STJ

Newsletter
Receba nossos informativos em seu e-mail

Rua General João Manoel, 215   98005-170   Cruz Alta, RS   Localização Escritório Advocacia

© 2017 Vargas Advogados. Todos os direitos reservados.
Produzido pela Netface